Associação dos Universitários de Altaneira Desenvolve Projeto de Xadrez na Escola 18 de Dezembro




Iniciado no dia 03 de setembro na Escola 18 de dezembro, o projeto Xadrez na Escola de iniciativa da Associação dos Universitários de Altaneira- AUNA abrange os alunos do 6º ao 9º ano, na referida Escola. 
Na ultima terça-feira, 23 09, foi reproduzido no informativo Noticias em destaque pela Rádio comunitária Altaneira Fm, informações sobre o projeto, onde a universitária concludente do curso de Geografia Marinalva Rodrigues, colaboradora do projeto relata a importância deste jogo ser trabalhado na escola “ o xadrez ele é muito importante, não só por ser um jogo em si, mas como um jogo interdisciplinar que dá para se trabalhar varias disciplinas como a Geografia, Matemática e a História, é um jogo que também tende a despertar o censo critico dos alunos em relação ao racismo, ao machismo e até em relação a própria sociedade” afirmou.
A inclusão de alunos específicos foi citada pela professora de Arte e Formação Maria Vanda Oliveira “o melhor de tudo é a inclusão é a maneira que eles estão trabalhando com esses alunos com necessidades especificas”. Vanda cita ainda um aluno como exemplo, “e o aluno, no caso um que tem síndrome de Down ele tá conseguindo, tá aprendendo as regras” frisou.
Além de utilizar o jogo de xadrez como mais uma alternativa pedagógico sendo um instrumento de ensino. O projeto visa ainda à transformação Social. 
O Xadrez na Escola é uma ação simples que contribui efetivamente, na formação ética, intelectual, social e emocional dos estudantes. É uma ação simples que pode muitas vezes, ser a solução para um problema complexo.

Acidentes nas rodovias cearenses deixam 4 mortos e 37 feridos

 
 
 
A movimentação nas rodovias cearenses foi intensa no último domingo (28), registrando um alto número de acidentes. Ao todo, as estradas estaduais e federais apontaram, até o início da manhã desta segunda-feira (29), 34 acidentes, deixando 4 pessoas mortas e 37 feridas.
 
Conforme a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), as rodovias estaduais registraram 16 acidentes, que deixaram 5 pessoas feridas e 1 morto. O acidente fatal aconteceu no KM 251 da CE-060, no município de Senador Pompeu, quando um carro, às 17h20 do domingo, capotou. Miguel Antônio da Rocha, de 60 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu. Os outros 2 ocupantes do veículo ficaram feridos.
 
Já no KM 74 da CE-060, na cidade de Beberibe, outro capotamento deixou 6 pessoas feridas. Segundo a PRE, a motorista, que não era habilitada, tentou fazer uma ultrapassagem, mas perdeu o controle do veículo, que seguia acima da capacidade, e capotou. Os ocupantes do carro somente apresentaram ferimentos.
 
Já a Polícia Rodoviária Federal (PRF) atendeu a 18 ocorrências, com 3 mortes e 12 feridos. Por volta de 17h, um ciclista de aproximadamente 60 anos morreu após colidir com um carro no KM 12 da BR-116, em Fortaleza. Ainda no fim da tarde, um motociclista, identificado como Elihu Fernandes Martinho, se chocou contra um carro, no KM 125 da BR-222, no município de Itapajé, e também morreu.
 
A terceira vítima resultou de um acidente no município de Caucaia, no KM 402 da BR 020. Às 18h30, a pedestre Maria do Carmo Santos, de 62 anos, foi atropelada por uma motocicleta. Os dois ocupantes do veículo ficaram com lesões graves.
 
Fonte: Diário Do Nordeste

INSS amplia prazo de pagamento para crédito consignado




O Ministério da Previdência decidiu ampliar o prazo máximo de pagamento de empréstimo consignado (com desconto em folha) para os aposentados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O número limite de prestações mensais para pagamento de empréstimo pessoal e cartão de crédito subiu de 60, equivalente a cinco anos, para 72, ou seis anos.

A mudança esá publicada em uma portaria publicada no "Diário Oficial" da União desta segunda-feira (29) e foi adotada por recomendação do Conselho Nacional de Previdência Social. A medida passa a valer a partir de 1º de outubro.

Atualmente, as taxas máximas são de 2,14% ao mês, para o empréstimo, e 3,06% ao mês, para o cartão consignado, segundo informa o Ministério da Previdência. Não houve alteração nas taxas.

De acordo com o ministério, o valor máximo da renda do segurado a ser comprometida não pode ultrapassar 30% do valor da aposentadoria ou pensão recebida.

Fonte: G1 / Miséria

ABA iniciará Campanha de Logomarca da Rádio Comunitária Altaneira FM

 
 
A Associação Beneficente de Altaneira – ABA, entidade mantenedora da Rádio Comunitária Altaneira FM iniciará na próxima segunda-feira, 29 de setembro, campanha junto às instituições de ensino desta municipalidade com o propósito de escolher a logomarca que represente o único veículo de comunicação que atende a todos os altaneirenses.

Segundo Cláudio Gonçalves, Secretário de Atividades Sociais da ABA, em uma reunião nesta quinta-feira, 25, ficou acordado que a campanha será desenvolvida junto aos alunos dos ensinos fundamental e médio. Uma comissão foi formada para acompanhar todo o processo. Acordou-se ainda que haverá uma premiação (ainda a ser definido) para aquele/aquela que se sair vencedor.

A Comissão ficou composta por Alexandre Silva, Claudio Gonçalves, Cristiano Lima e Elenice Pereira.

Está programado ainda para este ano a II seleção de novos comunicadores, bem como uma formação com os que já são do quadro.

Fonte: Informações em Foco

Cresce número de áreas que reduziram homicídios no Ceará

Áreas Integradas de Segurança (AIS) (Foto: Reprodução)
Desde que o Ceará foi dividido em 18 Áreas Integradas de Segurança (AISs) e a meta de 6% de redução foi fixada para os casos de homicídios, não houve uma só área que tenha batido todas as metas, no intervalo de janeiro a agosto último. Por outro lado, nenhuma deixou de alcançar alguma redução nos assassinatos ao longo dos oito primeiros meses do ano, numa comparação com o mesmo período de 2013.

Foi o que revelou balanço foi feito pelo O POVO, pouco mais de um ano após o delegado Servilho Paiva assumir a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). O novo modelo de atuação das forças de segurança do Estado começa a apresentar resultados positivos, ainda que razoáveis.

Em oito meses, as 18 áreas tiveram 144 chances para buscar a redução de 6%. Porém, o objetivo foi alcançado 47 vezes, o que significa que 32% dos resultados foram positivos. Em 14 casos, houve repetição ou queda no número de homicídios, mas não o suficiente para que a meta fosse cumprida. Em outras 83 ocasiões, a quantidade de assassinatos aumentou.

Melhores e piores

Dentre as áreas com maior número de redução, a AIS-16 obteve os melhores índices. Na região que concentra municípios como Iguatu, Várzea Alegre e Icó, a meta foi batida em janeiro, março, maio, junho e agosto. O comandante da área, major Herman Macedo, diz que a criminalidade está sendo combatida com reforço nas abordagens.

Ele explica que a maioria dos crimes (homicídios, roubos e furtos) são cometidos por pessoas trafegando em motos. “Nossas viaturas atuam principalmente fazendo apreensão de motocicletas”. Iguatu, segundo o major, conta com sete viaturas fazendo rondas. “Se cada viatura conseguir apreender de dez a 12 motos irregulares, cai consideravelmente o número de crimes”, diz.

Completam a listas das três com melhores resultados as AISs 1 e 15. Nessa última, a meta foi batida quatro vezes. Em outros dois meses (janeiro e junho), o número de mortes registradas foi o mesmo de 2013 (16 casos).

Por outro lado, as AISs 2, 5 e 17 são as consideradas mais problemáticas e só conseguiram bater as metas uma vez. Nos outros sete meses, o número de homicídios foi maior que o do mesmo período do ano passado.

Dentre todas as áreas de segurança, a AIS-18 enfrenta uma situação “atípica”. Concentrando os municípios de Tauá, Quiterianópolis, Parambu, Arneiroz, Aiuaba e Catarina, a região enfrenta uma “dificuldade maior”. Isso porque a área é considerada a mais “tranquila” de todas, com índices de homicídios como o registrado em agosto: cinco casos. Em junho, foi apenas uma morte.

“Conseguimos uma boa redução no ano passado e, agora, estamos com dificuldade para reduzir mais. Para nós, é como se a meta fosse de 100%. Quase impossível bater. Mas vamos continuar tentando. Nossa ação é feita em cima de estatística, com hora, dia e local onde os casos costumam ocorrer. Principalmente nos fins de semana, mobilizamos o maior número de policiais em ações preventivas”, afirmou o tenente-coronel Geovanni Guedes, comandante da AIS-18.

Saiba mais

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) divulgou este mês uma nova maneira de contabilizar os homicídios no Ceará. A partir de agora, os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) detalham os casos de mortes decorrentes de acidente de trânsito (quando há embriaguez ao volante), homicídios ocorridos em unidades prisionais e mortes que resultam de intervenção policial.

Os indicativos divulgados em 2013 e até agosto deste ano também foram atualizados com os novos dados.

A SSPDS alterou a configuração de sete das 18 Áreas Integradas de Segurança (AISs). Em Fortaleza, houve mudanças nas AISs 1, 4, 5 e 6.

As mudanças consistem basicamente na inserção ou permuta de bairros em cada uma das áreas. No Interior, foram afetadas as AISs 14, 15 e 18. Nesses casos, houve permuta entre municípios atendidos pelas áreas.

83 foi o número de vezes em que a quantidade de homicídios aumentou

Fonte: O Povo / Miséria

Ceará tem três casos confirmados de febre chikungunya

Sintomar da febre chikungunya (Foto: Reprodução/TV Globo)
O Ceará tem três casos confirmados de febre chikungunya, de acordo com boletim divulgado pela Secretaria da Saúde do Ceará. Segundo o boletim, dois dos pacientes contaminados são de Fortaleza e um teve o caso confirmado em Brejo Santo; os três foram contaminados quando viajaram para a República Dominicana. Ainda de acordo com a Secretaria da Saúde, há outros três casos suspeitos de febre chikungunya no Ceará.

Em relação ao caso de Brejo Santo, em 3 de junho o médico que atendeu o paciente suspeitou de chikungunya e determinou o isolamento por dez dias, para evitar a transmissão. A Secretaria Municipal de Saúde e a Secretaria da Saúde do Estado realizaram os procedimentos de investigação epidemiológica e controle vetorial para evitar a disseminação da doença. O paciente já se recuperou e, na quarta-feira, 16 de julho, retornou ao Recife, onde mora.

Entenda a doença
A infecção pelo vírus chikungunya provoca sintomas parecidos com os da dengue, porém mais dolorosos. No idioma africano makonde, o nome chikungunya significa "aqueles que se dobram", em referência à postura que os pacientes adotam diante das penosas dores articulares que a doença causa.

Em compensação, comparado com a dengue, o novo vírus mata com menos frequência. Em idosos, quando a infecção é associada a outros problemas de saúde, ela pode até contribuir como causa de morte, porém complicações sérias são raras, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Este ano, já houve 20 casos da infecção notificados no Brasil desde maio, de acordo com o Ministério da Saúde. Mas, até o momento, todos são importados.

Como as pessoas pegam o vírus?
Por ser transmitido pelo mesmo vetor da dengue, o mosquito Aedes aegypti, e também pelo mosquito Aedes albopictus, a infecção pelo chikungunya segue os mesmos padrões sazonais da dengue, de acordo com o infectologista Pedro Tauil, do Comitê de Doenças Emergentes da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

O risco aumenta, portanto, em épocas de calor e chuva, mais propícias à reprodução dos insetos. Eles também picam principalmente durante o dia. A principal diferença de transmissão em relação à dengue é que o Aedes albopictus também pode ser encontrado em áreas rurais, não apenas em cidades.

Onde o vírus está circulando?

De acordo a OMS, o vírus já vinha circulando nos últimos anos pela África e pela Ásia, principalmente no subcontinente indiano. Mais recentemente, foram identificados casos na Europa. Em dezembro do ano passado, a doença chegou ao Caribe – a primeira ocorrência de surto nas Américas. Até o momento, não existe registro de nenhum caso transmitido dentro do Brasil.

O chikungunya tem subtipos diferentes, como a dengue?
Diferentemente da dengue, que tem quatro subtipos, o chikungunya é único. Uma vez que a pessoa é infectada e se recupera, ela se torna imune à doença. Quem já pegou dengue não está nem menos nem mais vulnerável ao chikungunya: apesar dos sintomas parecidos e da forma de transmissão similar, tratam-se de vírus diferentes.

Quais são os sintomas?

Entre quatro e oito dias após a picada do mosquito infectado, o paciente apresenta febre repentina acompanhada de dores nas articulações. Outros sintomas, como dor de cabeça, dor muscular, náusea e manchas avermelhadas na pele, fazem com que o quadro seja parecido com o da dengue. A principal diferença são as intensas dores articulares.

Em média, os sintomas duram entre 10 e 15 dias, desaparecendo em seguida. Em alguns casos, porém, as dores articulares podem permanecer por meses e até anos. De acordo com a OMS, complicações graves são incomuns. Em casos mais raros, há relatos de complicações cardíacas e neurológicas, principalmente em pacientes idosos. Com frequência, os sintomas são tão brandos que a infecção não chega a ser identificada, ou é erroneamente diagnosticada como dengue.

Segundo o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, é importante observar que o chikungunya é "muito menos severo que a dengue, em termos de produzir casos graves e hospitalização".

Tem tratamento?
Não há um tratamento capaz de curar a infecção, nem vacinas voltadas para preveni-la. O tratamento é paliativo, com uso de antipiréticos e analgésicos para aliviar os sintomas. Se as dores articulares permanecerem por muito tempo e forem dolorosas demais, uma opção terapêutica é o uso de corticoides.

De acordo com Tauil, da SBI, os serviços de saúde brasileiros já estão preparados para identificar a doença. "Provavelmente quem vai receber esses casos são reumatologistas. Já escrevemos artigos voltados para esses profissionais, orientando-os a ficar atentos a pessoas provenientes de áreas em que há transmissão", diz o infectologista. Pessoas que apresentarem os sintomas citados e estiverem voltando de áreas onde existe a transmissão do vírus, como o Caribe, devem comunicar o médico.

Apesar de haver poucos riscos de formas hemorrágicas da infecção por chikungunya, recomenda-se evitar medicamentos à base de ácido acetilsalicílico (aspirina) nos primeiros dias de sintomas, antes da obtenção do diagnóstico definitivo.

Fonte: G1/CE  / Miséria