Mês de junho foi o mais quente da História, dizem especialistas

O mês de junho de 2014 foi o mais quente já registrado no planeta desde 1880, informou nesta segunda-feira a Agência Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA).
A temperatura média na superfície terrestre e nos oceanos alcançou 16,22°C em junho, ou seja, 0,72°C a mais que a média do século XX para este mês. A cifra supera o último recorde de junho, que remonta a 2010, informou a NOAA.
"A maior parte do planeta enfrenta temperaturas mensais acima da média, com recordes de calor nas regiões do sudeste da Groenlândia, do norte da América do Sul e do Sudeste da Ásia", explicou a agência em um comunicado.
"Assim como em maio, as regiões das principais bacias oceânicas também tiveram recordes de calor", acrescentou.
A última vez que a temperatura em um mês de junho foi inferior à média do século XX foi em 1976, indicou a NOAA.
Segundo a mesma fonte, o mês de maio de 2014 também foi o mais quente desde 1880, mais que o recorde anterior, de maio de 2010.

Fonte: AFP / Miséria

Osteoporose pode fazer os dentes caírem depois dos 40 anos

A osteoporose pode agravar uma doença periodontal, mas nunca ser a causadora direta da queda dos dentes. (Foto: hxdbzxy / Shutterstock)
A osteoporose é uma doença que se caracteriza pela perda de massa óssea, que acaba por deixar os ossos extremamente frágeis, facilitando as fraturas. Essa doença atinge mais mulheres a partir dos 40 anos, quando há a queda do hormônio estrogênio por conta da menopausa.

Ocorre que é comum que a osteoporose acabe prejudicando a saúde bucal. “A gengiva pode ser afetada, pois ela reveste o osso ao redor dos dentes que está se tornando cada vez mais frágil”, explicou o periodontista Mario Eduardo Lopes.

Porém, o especialista explica que o caminho pode ser inverso. Quando o paciente tem uma doença periodontal (inflamação na gengiva) há um processo inflamatório instalado no organismo. Essa inflamação, por sua vez, libera substâncias que causam a osteopenia, que se caracteriza, entre outras coisas, pela diminuição da massa óssea ao redor do dente. Para entender melhor, a osteopenia é um alerta indicando a diminuição desta massa óssea que pode levar ao desenvolvimento de osteoporose.

“Quando um paciente chega ao meu consultório dizendo que está com os dentes moles e culpa a osteoporose por isso, logo explico que ele pode estar errado. Após algumas analises, constatamos que os dentes moles estão sendo causados, na maioria das vezes, por uma periodontite avançada”, diz Lopes.

Ou seja, “a osteoporose pode agravar uma doença periodontal, mas nunca ser a causadora direta da queda dos dentes”, afirma o especialista que ressalta, ainda, a importância de o paciente informar ao dentista que tem osteoporose.

Uma forma de prevenir a doença é optar por uma vida saudável com alimentação balanceada (rica em cálcio), controle de peso, exposição ao sol e a prática de exercícios físicos. Já para prevenir a periodontite é fundamental que se tenha uma higiene bucal impecável com o uso de fio dental e limpadores de língua.

Fonte: Terra, com Beta / Miséria

17% dos veículos abordados pelo Detran foram multados no Ceará

Entre os próximos dias 18 e 25, a Polícia Rodoviária Estadual do Ceará (PRE-CE) vai promover, na Capital e no Interior, a Semana Nacional de Trânsito, com atividades informativas sobre as normas da boa condução (Foto: Lucas de Menezes/Diário do Nordeste)
Nem as ações de fiscalização constantes, nem as multas de valores cada vez mais altos, e até mesmo o maior rigor do Código Nacional de Trânsito, que vem adotando, no últimos anos, políticas de tolerância zero para com motoristas imprudentes, estão sendo capazes de impedir que os condutores cearenses desrespeitem as legislações de circulação viária no Estado. Apenas no primeiro semestre deste ano, aproximadamente 17% dos veículos abordados pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE) receberam notificações, número que supera o registrado no ano passado.

Entre janeiro e junho últimos, 199.360 passaram pelas vistorias do órgão e, destes, 34.017 apresentaram irregularidades em relação às leis. No igual período de 2013, dos 186.528 veículos fiscalizados, 30.847, ou cerca de 16,5% do total, foram notificados. À época, o Detran lavrou 53.150 infrações, sendo a condução de moto sem capacete (8.632), a condução de veículos não licenciados (7.250) ou não habilitados (5.307), e a não utilização do cinto de segurança (3.769) as mais comuns.

Já neste ano, foram registradas, em seis meses, 54.750 infrações, uma média de 9.125 ocorrências contabilizadas mensalmente. Quase todas tiveram aumento, com exceção dos casos ligados ao uso do cinto, os quais caíram para 1.293, uma redução superior a 30%. A violação que obteve o maior crescimento em comparação ao ano anterior foi a condução de motocicleta sem capacete. No primeiro semestre de 2014, o Detran flagrou 9.783 delitos do tipo.

Campanhas
Segundo coronel Paulo Sérgio Braga, comandante da Polícia Rodoviária Estadual do Ceará (PRE-CE), apesar das campanhas educativas realizadas, a ausência de equipamentos de segurança em motociclistas ainda é uma das irregularidades mais comuns no Interior do Estado, e, por consequência, um dos maiores responsáveis pelos óbitos nas estradas.

"Além da condução de motos sem habilitação, as pessoas ainda são muito relapsas em relação ao capacete, talvez por uma questão cultural. São leis muito simples de serem seguidas, mas os condutores desobedecem", afirma.

Dentre os veículos notificados de janeiro a junho deste ano, a grande maioria, 21.864, ou cerca de 64%, terminaram recolhidos pelo órgão. No passado, a proporção entre os automóveis e motocicletas autuados e os retidos pelo Departamento ficou por volta de 56%.

Embora o número de motoristas abordados tenha aumentado em relação a 2013, a quantidade de infrações à Lei Seca registradas neste ano foi outro ponto que demonstrou queda.

O número passou de 3.436 no ano passado para 3.105 neste ano. Segundo o comandante da PRE-CE, a redução é indício de que os motoristas estão se tornando mais conscientes acerca das punições voltadas para aqueles que violam a legislação.

"Desde que a lei foi criada, o Detran e a PRE trabalham muito com a divulgação. Como a multa é muito pesada e ainda tem a cassação do direito de dirigir por dois meses, acreditamos que eles estão começando a andar na linha", diz Paulo Sérgio Braga.

O coronel destaca que, no mês de setembro, entre os dias 18 e 25, a PRE promoverá, na Capital e no Interior, a Semana Nacional de Trânsito, com atividades informativas sobre as normas da boa condução.

Órgão  inaugura  unidade  no bairro São Gerardo
O governo do Estado do Ceará inaugura hoje, a partir das 10 h, uma nova unidade de atendimento do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). A abertura da nova sede, que será no bairro São Gerardo, conta com a presença do governador Cid Gomes.

A nova unidade de atendimento está localizada na Rua Gustavo Sampaio, 1290, na esquina com a Rua Conselheiro Álvaro de Oliveira. Com a instalação do novo aparelho, a antiga sede do Detran no bairro, que há mais de dez anos funcionava na Avenida Bezerra de Menezes, deixará de operar.

De acordo com a assessoria de imprensa do órgão, a abertura da nova sede foi necessária pois a unidade anterior não oferecia mais o conforto e a agilidade necessários para o atendimento aos que necessitavam dos serviços do Detran.

Serviço
A nova estrutura tem o dobro da área do prédio antigo e passa a funcionar a partir de hoje, oferecendo serviços como o registro de veículos e a emissão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

O novo prédio possui dois pavimentos, onde estarão distribuídos vinte guichês. O número de balcões de atendimento representa o dobro dos disponíveis na antiga sede do Detran, proporcionando maior agilidade no atendimento aos usuários.

No térreo, estarão disponíveis os serviços relacionados a veículos, como primeiro emplacamento, vistoria, transferência, segunda via, licenciamento e serviço de despachantes.

No segundo pavimento será reservado para serviços ligados à carteira de habilitação, a exemplo de exames médicos e psicoténicos para a CNH e renovação do documento, segunda via, dentre outros. Para as pessoas portadoras de necessidades especiais, foi instalado um elevador exclusivo que dá acesso ao segundo andar do prédio.

A nova unidade de atendimento do bairro São Gerardo é a segunda que o Detran entrega somente neste ano em Fortaleza. O primeiro aparelho foi inaugurado no último mês de janeiro, no bairro Messejana.

Na última sexta-feira(18), foram abertas ainda três novas unidades do Detran no município de Sobral, que passou a atender a usuários de 26 municípios da região.

Punições
Conduzir moto sem capacete
Infração gravíssima
Multa de R$ 191,54
Suspensão do direito de dirigir
Sete pontos na carteira

Veículo sem placa ou licenciamento
Infração gravíssima
Multa de R$ 191,54
Apreensão de veículo
Sete pontos na carteira

Conduzir veículo sem habilitação
Infração gravíssima
Multa de R$ 574,00
Apreensão do veículo
Sete pontos na carteira

Dirigir sob efeito de álcool ou outro entorpecente
Infração gravíssima
Multa de R$ 957,70
Cassação da CNH
Retenção do veículo
Remoção do veículo
Suspensão do direito de dirigir Detenção de seis meses a três anos Sete pontos na carteira

Mais informações
Nova unidade de atendimento do Detran, rua Gustavo Sampaio, 1290, bairro São Gerardo.
0800 275 6768

www.detran.ce.gov.br
Fonte: Diário do Nordeste / Miséria

Cariri teve o registro de 25 homicídios em junho ou 6,66% dos assassinatos do Ceará no período

Cariri teve o registro de 25 homicídios em junho ou 6,66% dos assassinatos do Ceará no período. (Foto: Arquivo/Agência Miséria)
Nos seis primeiros meses do ano 2.367 pessoas foram assassinadas no Ceará e, só na região do Cariri, mataram 152 homens e 12 mulheres totalizando 164 vítimas de homicídios. Isso representa 6,92% do total cearense ou um pouco menos que os 6,97% na comparação dos cinco primeiros meses e 7,10% nos quatro primeiros meses deste ano. Na situação atual em se tratando do Cariri são 27,3 pessoas assassinadas a cada mês, enquanto em nível de estado são 394,5 homicídios em média a cada 30 dias.

Entre maio e junho, o número de homicídios no Ceará aumentou de 360 para 375, enquanto houve um acréscimo de 23 para 25 no Cariri. No caso específico do sexto mês do ano, o percentual relativo na comparação com a nossa região foi de 6,66% um pouco a mais que os 6,38% de maio e bem que os 8,83% na comparativo de quatro meses. No Cariri, foram 27 pessoas assassinadas em janeiro, 26 em fevereiro, 32 em março, 31 em abril, 23 em maio e 25 no mês passado contra, respectivamente, 408, 394, 479, 351, 360 e 375 nestes mesmos períodos em nível estadual.

Já a participação específica de Juazeiro do Norte no âmbito do Cariri continua sendo assustadora. Do total de 164 assassinatos nos seis primeiros meses do ano, a Meca do Cariri registrou 83 representando, sozinha, 50,6% ou mais da metade do volume de homicídios na região. Somente em seis municípios caririenses não foram registrados assassinatos este ano quais sejam: Altaneira, Granjeiro, Jati, Potengi, Tarrafas e Várzea Alegre.

Fonte: Miséria

No Ceará, qualidade do ensino ainda é o maior desafio

Entre os problemas estão a não universalização da educação básica e a má qualidade do ensino público, revelada nos baixos índices de aprendizagem. (Foto: Kid Júnior)
Universalizar a educação infantil, alfabetizar todas as crianças até o final do 3º ano do ensino fundamental, fomentar a qualidade da educação básica e investir 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação são algumas metas do Plano Nacional de Educação (PNE), sancionado no último dia 26 de junho, pela presidente Dilma Rousseff. Aprovado com três anos de atraso, o Plano é composto por 20 metas que deverão ser alcançadas nos próximos dez anos (até 2024).

No Ceará, 93% das crianças de 4 e 5 anos estavam na escola em 2012 (239.205) e a meta é atingir 100% até 2016. Apesar da quantidade significativa, superior inclusive à média nacional (82,2%), chama a atenção a má qualidade do ensino, revelada pelos baixos índices de aprendizagem. Levando em conta que uma criança só é considerada alfabetizada quando se apropria da leitura e da escrita como ferramentas essenciais para seguir aprendendo, desenvolvendo a sua capacidade de se expressar e de participar do mundo cultural no qual está inserido, o cenário não é nada animador.

Aprendizado

Em todo o Estado, apenas 42,15% das crianças do 3º ano do ensino fundamental apresentaram aprendizado adequado em leitura. Porém, a situação mais preocupante é a do aprendizado adequado em matemática (18,83%) e em escrita (18,44%), ainda muito aquém do esperado - 100% até 2024. Em relação à média nacional, os índices do Ceará também estão bastante inferiores. O porcentual de todos os estados foi de 44,54% de aprendizado adequado em leitura, 33,33% em matemática e 30,09% em escrita.

Aos 5 anos, Ana Lívia Silva, aluna da Escola Municipal Mozart Pinto, no bairro Jardim América, ainda não sabe fazer contas, mas já se encanta pelo universo da leitura. Ao ser questionada sobre qual era o seu nome completo, de prontidão começou a soletrar letra por letra. "O que eu mais gosto é de conhecer letras", enfatiza. Ela conta que na escola aprendeu a ler histórias. As suas preferidas são da Mônica e sobre duendes.

Já Raíssa Costa da Silva, 5, tem como histórias preferidas as do Saci Pererê. Ela também gosta de desenhar, mas diz que a sua atividade preferida é brincar com os colegas na sala de aula. Apesar de afirmar que gosta de fazer contas, Raíssa confessa que tem dificuldades, mas tem a ajuda do pai em casa. "É difícil. Eu não sei, porque só tenho 5 anos", justifica.

Jacqueline Lucas Costa Lima, professora do Infantil V da Escola Mozart Pinto comenta que geralmente as crianças têm dificuldade de raciocínio e interpretação de texto. Um grande problema que identifica é a falta de diálogo, acompanhamento e estímulo por parte dos pais em casa. "Leitura e interpretação textual é o que mais se batalha na escola, mas não tem continuidade em casa. O professor tem que fazer milagre, pois o que as crianças aprendem é em sala de aula. Em casa, falta estímulo para elas pensarem", ressalta.

Outra crítica que faz é em relação à aprovação progressiva. Trata-se dos alunos que são matriculados de acordo com a idade, e não com nível em que estão. "Isso é muito prejudicial, o professor não tem como dar atenção a um só aluno. A criança do terceiro ano que não sabe ler e nem escrever vai se sentir diminuída porque não consegue acompanhar e vai acabar bagunçando, atrapalhando a aula. E o mais grave, ela vai se desinteressar pelos estudos", alerta.

Inês de Freitas Segundo, coordenadora pedagógica da Escola Mozart Pinto, informa que a Prefeitura de Fortaleza vem há algum tempo fazendo com os professores um trabalho de formação continuada, que acontece mensalmente.

Acrescenta, ainda, que é disponibilizado pelo Governo do Estado todo um material estruturado - o Programa de Alfabetização na Idade Certa (Paic) -, para diferentes faixas etárias e níveis de aprendizado. "Estamos trabalhando nessa linha de embasamento de um material que possa dar suporte à alfabetização para que a criança possa aprender", esclarece.

O observatório do PNE informa também que, no ensino fundamental, a porcentagem de crianças de 6 a 14 anos matriculadas no Ceará em 2012 era de 93,8% (1.290.234), igual à média nacional (93,8%), enquanto os jovens de 16 anos que concluíram o ensino fundamental somavam 139.960 (70%), superando a média dos estados (67,4%).

No ensino médio, eram 445.302 jovens de 15 a 17 anos na escola em 2012 (82,8%) e 297.540 matriculados no ensino médio (55,3%), enquanto a média nacional foi de 81,2% e 54,4%, respectivamente. A partir do PNE, todos os planos estaduais e municipais de educação devem ser criados ou adaptados em consonância com as diretrizes e metas estabelecidas.

Problemas no Estado são estruturais

Apesar dos avanços que o Ceará vem apresentando nos últimos anos, muito ainda precisa ser feito para garantir uma educação de qualidade para todos. Na visão da pedagoga Raquel Dias, professora da Universidade Estadual do Ceará (Uece), ainda que se considerem alguns avanços no que diz respeito à redução da taxa de analfabetismo e elevação dos índices do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) no Estado, analisando o conjunto percebe-se que alguns problemas são estruturais.

"A não universalização da educação básica (0 a 17 anos), uma vez que a atenção concentra-se no ensino fundamental; a má qualidade do ensino público, revelada nos baixos índices de aprendizagem; a não valorização dos profissionais da educação, evidenciada no elevado percentual de professores temporários na rede estadual que alcança 60% do total e nas precárias condições de trabalho", cita.

Em relação à meta que trata da destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação, embora se apresente como uma conquista, afirma que na forma em que foi aprovada poderá inviabilizar a efetivação das metas direcionadas especificamente ao segmento público, pois possibilita a destinação de recursos públicos para a privada, através do Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), do Programa Universidade para Todos (Prouni), de isenções de impostos, de bolsas. No entanto, a especialista destaca que não se trata de rever a meta, mas o próprio caráter do Plano, que se revela privatista.

Aplicação

Para melhorar os índices e a qualidade da educação pública do Ceará, Raquel afirma que seria necessário, em primeiro lugar, a aplicação imediata de 10% do PIB na educação pública. Junto com isso, redefinir prioridades do orçamento dos governos federal, estaduais e municipais, dando atenção especial à educação e às políticas sociais. Outra política nesse sentido que cita seria a definição de um plano de obras públicas visando a construção de escolas e creches.

Reginaldo Pinheiro, vice-presidente do Sindicato Apeoc, ressalta que o PNE é importante porque trata de questões fundamentais no que tange ao financiamento da educação. Ele afirma que hoje o Ceará investe 6,4% do PIB na educação, mas a meta é que seja 10% em 2024. Para isso, frisa que é necessário que os recursos dos royalties do petróleo e do pré-sal sejam contabilizados para a educação.

Outro ponto importante que o sindicalista pontua é em relação à formação, remuneração e carreira dos professores. "A gente considera central que até o 6º ano de vigência do plano o salário dos professores da educação básica seja equiparado ao rendimento médio (salário) dos demais profissionais com escolaridade equivalente", salienta.

Efetivação

Para Pinheiro, o grande desafio é para que os estados e municípios possam, a partir de uma discussão com a sociedade civil organizada e os sindicatos, elaborar os seus planos com base nas metas do PNE. "Não tem mais a desculpa de que não há um parâmetro nacional", destaca. Ele afirma que já se pode comemorar os avanços que o plano traz, mas reforça que a luta agora é para que as metas sejam alcançadas e se tornem política de estado, e não de governo.

"Temos que cobrar para que os governos efetivem o que está proposto no plano e que ele seja aprovado em consonância com a lei federal", conclui Pinheiro.

Fonte: Diário do Nordeste / Miséria

Ibama registra mais de 320 infrações ambientais no Ceará

As infrações envolvendo animais foram as mais numerosas, com 157 casos em que três municípios ficaram com as maiores incidências. A Capital teve 31 registros, seguida por Parambu (20) e Aracati (16). (Foto: José Leomar)
Ambientalistas questionam a falta de prioridade da pauta ambiental no Brasil pelo Estado e pela sociedade. Levantamento feito pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) registrou 324 infrações, até maio deste ano, no território cearense com domínios federais.

Sob responsabilidade federal, o Ceará apresenta mais de 1.015 km² de Unidades de Conversação, entre parques nacionais, estações ecológicas, áreas de Preservação Ambiental (APA), Floresta Nacional e Reservas Extrativistas, conforme o Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente (Conpam). A exceção é para o Parque Nacional de Ubajara e para a Floresta Nacional de Sobral, que não possuem áreas contabilizadas.

As principais violações observadas pelo Ibama no Ceará são de autuações contra animais, desmatamento e exploração irregular dos recursos naturais, além de pesca predatória. As constatações foram relativas à fauna, flora, pesca, problemas com as organizações que têm atividades potencialmente poluidoras - cadastradas junto aos órgãos ambientais (Cadastro Técnico Federal), e irregularidades em Unidades de Conservação.

Entre os dados, as infrações envolvendo animais foram as mais numerosas, com 157 casos em que três municípios ficaram com as maiores incidências. A Capital teve 31 registros, seguida por Parambu (20) e Aracati (16). "De uma forma geral, elas comovem mais a população, que fazem o apelo através de denúncias", explica o coordenador de fiscalização do Ibama, Miller Holanda Câmara.

Ilegal

Os principais casos, de acordo Miller, são de animais criados em cativeiros cuja origem é ilegal, adquiridos através de feiras livres ou do tráfico. Espécies mais comuns são as aves da caatinga, como o Galo de Capina, Canário da Terra, Trinca-Ferro, Azulão, Sanhaço, além de papagaios e periquitos. Segundo o coordenador, o cadastramento de novos criadores no Ceará está suspenso há mais de um ano, em razão do volume de irregularidades encontradas. Já a comercialização está funcionando normalmente. A venda só é permitida entre comerciantes e para fora do estado.

Sobre a flora, os destaques foram para os municípios de Fortaleza, com apenas três registros de infrações, contra oito em Tianguá e 14 em Sobral. Ao todo, foram registradas 58 contravenções. Conforme Miller, o baixo índice de registros na Capital deve-se à transferência de monitoramento para os órgãos ambientais municipais e estaduais. "No Interior, a maioria dos casos é relativa ao desmatamento da caatinga ou dos remanescentes de mata atlântica, como é o caso de Tianguá.

Além disso, houve um segundo episódio, onde foi detectado o transporte irregular de madeira, que estava ou com excesso de carga ou sem documentação. Essas atuações foram feitas em Tianguá ou Sobra, que estão na mesma rota de transporte".

Já a pesca apresentou 59 irregularidades ligadas, especialmente, à comercialização do pescado. Em Fortaleza, foram cinco registros, onde a comercialização de peixes e do caranguejo têm mais irregularidades, por serem capturados no período de defeso. Pacujá vem em seguida, com sete violações de pesca de espécies de água doce durante a época de defeso. Ao todo, foi capturada mais de uma tonelada, segundo Miller. Por último, o município de Icapuí registra cinco infrações, relativas a pesca ilegal de lagosta.

De acordo com Miller, desde 2011, a gestão dos recursos ambientais passou a ser dividida com os órgãos ambientais estaduais e municipais. As competências do Ibama envolvem, especialmente, ações fiscalizadoras e execução de demandas federais. "Agressões à costa cearense, evolução do mangue, problemas em terras e águas federais. Isso vem sendo desenvolvido para evitar a superposição de trabalhos, pois antes não tinham uma definição muito clara", explica.

Gestões precisam de mais estrutura

Para Rodrigo Castro, secretário executivo da Associação Caatinga, a transferência de atribuições para Estado e Município deveria favorecer a ação dos órgãos ambientais, uma vez que os locais teriam maior facilidade de aproximação, mas ainda demonstra dificuldades. "O Ibama está repassando as responsabilidades de flora e fauna para Seuma e a Semace. O problema é que os municípios ainda não sabem bem como trabalhar essa gestão, não estão estruturados para combater a ação predatória. E não há repasse de recursos para isso acontecer", comenta.

Na perspectiva dele, os dados são expressivos, mas pouco representativos do ponto de vista da cobertura e fiscalização de todo o território estadual. "A distância entre uma fiscalização e outra faz com que as irregularidades sejam reincidentes, pois as operações são pontuais. Não se pode depender de um estratégia só de combate, mas principalmente de reeducação".

Conforme a Semace, de janeiro até 17 de julho deste ano, foram registradas 1.731 ocorrências que se referem a demandas do Ministério Público Estadual e Federal, Promotorias de Justiça, órgãos e entidades públicas e privadas, pela população de forma geral, além das ações de investigação próprias do poder de polícia administrativa.

Sob coordenação da Gerência de Execução de Fiscalização - Gefis, semanalmente equipes de fiscalização da Semace saem em diligência para averiguação e apuração de infrações em todo o Interior do Ceará. Quando há necessidade de ações integradas com municípios ou com o órgão federal, é feito contato para planejar as ações conjuntas.

Mais informações

Irregularidades ambientais no Estado devem ser denunciadas à Semace. Para isso, ele deve ligar para o Disque Natureza, no número 0800-2752233

Fonte: Diário do Nordeste / Miséria